De cor

Entregas-te a essa terra musical
E enterras a semente que dá cor
De cor
Como se de frutos fosse feita a sementeira alheia

Comes o olvido e a memória na mesma refeição

Pões cuidados e cetins no teu enorme rio
A nadar a tua sobrevida

A solidão
Não te traz nem ritmo nem sentido aos dias
E a noite
É o lugar blindado da cegueira

Onde vai agora a pressa que já não se vê o tempo?

E se fosse apenas essa a mácula parasita, haveria ainda jarros e violetas, e pássaros em redor?

Cláudia Oliveira

Este poema «De cor» de Cláudia Oliveira saiu com erro de paginação na DiVersos nº32, aqui na forma correta em que deveria ter sido paginado nas páginas 33-34. Forma um só poema com o que aparece na página 34 como se fosse um poema separado com o título «A solidão». À autora, as desculpas do editor.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão /  Alterar )

Google photo

Está a comentar usando a sua conta Google Terminar Sessão /  Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão /  Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão /  Alterar )

Connecting to %s