Pedro e Inês – Dolce Stil Nuovo

Para além de referências históricas e literárias, a desmontagem do mito de inês, a releitura das personagens. A claridade e a limpidez da poesia de Dempster são, por si só, fatores de deslumbramento, alinhando este livro com os mais belos representantes da tradição inesiana.

Continuar a ler

Anúncios

Campa Rasa e outros poemas

Uma poesia alegre e triste… como a vida. Vindo de raízes surrealistas, abjecionistas e, em parte, neo-realistas, a poesia de Afonso Cautela teve sempre uma nota muito própria e diferente. Em Campa Rasa afloram temas de ressonância do mundo e da vida que a aproximam de um diálogo com Teixeira de Pascoaes, Frei Agostinho da Cruz, António Correia de Oliveira e Bocage.

Continuar a ler

Instrumentos de Sopro

Paisagens interiores [Inscapes], eis o subtítulo deste livro. Livro que nasce da colectânea El lugar, la imagen, editada em 2006 em Espanha pela Editora Regional da Extremadura, com tradução para castelhano de Antonio Saéz Delgado (Professor na Universidade de Évora). Inclui um Prólogo do poeta brasileiro C. Ronald: «Ruy Ventura não tem nada de poeta português. Já desponta com universalidade.» No final, inclui notas do Autor, que referem as paisagens exteriores sem as quais não teriam existido as interiores que se vazam nos poemas do livro. Que incluem também paisagens culturais: objetos de arte, monumentos, achados arqueológicos.

Continuar a ler

Vida Adentro

Vida Adentro é o segundo livro publicado por Jorge Vilhena Mesquita, no qual o autor reúne a poesia que escreveu entre 1985 e 1990. Retomando algumas formas poéticas do seu livro anterior, O Sentimento da Ausência – o enigma, o rubai, o haiku, a redondilha -, e com ele partilhando uma poética da intensidade e da concentração expressivas, Vida Adentro marca porém, como o próprio título indicia, uma inflexão na sua obra da esfera do «ser» para a esfera da existência. Melhor do que uma paráfrase, talvez um dos seus poemas, Dilema de um homem, a exprima: «Não posso não agir (a tentação/da cobardia é vã neste momento)./Entre dois males cabe-me escolher,/que um erro meu deixou como opção./E quanto num e noutro há a perder/antecipando, disso me atormento./Que várias vidas, ambos, mudarão…».

Continuar a ler

Flor de Um Dia – Poesia Inédita Reunida

Presentes neste livro a alegria, a tristeza, o amor, a morte, e sobretudo a vida; a viagem no espaço e no tempo e a viagem fora deles, a filosofia através da poesia (ou será o contrário?), o sentimento da natureza e da destruição dela, a dimensão cósmica, humana e desumana, a mentira da guerra e a impotência da paz, a solidão e a multidão, a fraternidade, a amizade, mas também a catástrofe e a barbárie.

Continuar a ler